Páginas

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Princesa Ameba - Capítulo IX

Read this post in English
Todos os capítulos AQUI - leia os capítulos anteriores antes para entender a história.

Como princesa, Ameba tinha suas obrigações reais, compromissos enfadonhos e maçantes. Mas, ciente de sua posição, obrigava-se a comparecer a todos, a fim de não indispor-se com seus pais. Seu relacionamento com eles era frio e superficial. Mas era tranqüilo, desde que não houvesse oposição de sua parte em relação aos deveres reais. Preferia, simplesmente, ser aquela que todos esperavam que ela fosse.
Porém, neste dia, sua ansiedade transparecia em seu rosto delicado. Seus olhos denunciavam sua curiosidade e aflição com tudo que estava acontecendo. Precisava voltar logo à biblioteca e terminar a conversa com Theodore. Teria sido um momento difícil para ela se o rei questionasse sobre sua expressão aflita. Não houve, entretanto, nenhum questionamento pois, como sempre, sua alteza, o rei, não a olhou por mais que alguns segundos. Ela, por sua vez, olhava para os lados, como se pensasse numa maneira de escapar dali e escolhesse a melhor saída. Não conseguia prestar atenção ao discurso de seu pai até ouvir: "... o seu casamento". Estarrecida, abriu a boca e olhou para o rei pensando ter ouvido mal mas, para sua total decepção, percebeu que tinha ouvido muito bem. O assunto em questão era o fato de seu aniversário estar próximo e, conseqüentemente, o fim do prazo para realizar seu matrimônio.
- Não fica bem uma princesa com sua idade não ter ainda anunciado a data do enlace. Nem sequer o nome do escolhido! Não, não. Temos que resolver o mais rápido possível. Assim, dentro de dez dias haverá a recepção de apresentação dos pretendentes. Oriente-se com a rainha sobre como se portar na ocasião. Não poderá haver um só deslize!... É só. - e, com estas palavras, seu pai fez um gesto indicando que ela deveria sair.
Completamente sem palavras, saiu da sala real sem saber para onde ir ou o que fazer. Lembrou-se de apenas um lugar onde pudesse dar vazão às lágrimas que teimavam em cair: o jardim. E foi lá, onde passara tantas tardes, que a pequena princesa chorou, chorou e chorou. Sabia que este dia chegaria mas, procurava não pensar a respeito. Casamento... viver com uma pessoa desconhecida, dormir na mesma cama, ser obrigada a sorrir mesmo quando triste, estar à disposição do marido o tempo todo, submissa... não, não podia aceitar tal imposição. Ficou lá, sentada em seu banco preferido, sob uma linda e frondosa oliveira, sem ver o tempo passar.
Quando deu por si, sua mente estava vazia, seus olhos secos de tanto chorar, e a noite já avançava pelo jardim, trazendo as sombras e o canto dos rouxinóis. Uma brisa suave brincava com seus cabelos. Sentia-se extremamente cansada. Achou melhor recolher-se em seus aposentos devido ao adiantado da hora. Não conseguiu, no entanto, levantar-se. Sentia seu corpo pesado e uma total falta de disposição de esboçar qualquer movimento. Ficou ali, observando as várias nuances de claro e escuro nas plantas, totalmente absorta.
Após alguns momentos, algo lhe chamou a atenção, tirando-a do torpor. Sentiu-se observada! Olhou à sua volta mas nada pode divisar por entre as plantas pois já era noite. Sentiu um arrepio de medo e todos os sentidos voltaram a funcionar imediatamente. Seu coração batia descompassado. Nenhum som denunciava qualquer presença além dos animais noturnos mas, ela sabia que havia alguém ali, muito perto, à espreita. Enquanto decidia o que fazer, gritar ou correr, ouviu uma voz suave à sua direita:
- Não temas! Nada farei contra sua alteza. Pode voltar ao castelo tranqüila, estarei aqui caso algum perigo a ameace. Vá.
Surpresa, levantou-se e fez menção de falar mas sentiu sua voz abandoná-la. Não sabia o que dizer. Deveria perguntar quem era ou estaria correndo um risco ainda maior? Sem saber como, seguiu para o castelo e dirigiu-se diretamente aos seus aposentos onde finalmente pôde respirar normalmente. Deitou-se cansada sobre o cetim dourado, entre as almofadas de seda e adormeceu, ouvindo o eco daquela voz suave e melodiosa, cravado em sua mente.

Continua... aguarde.

4 comentários:

Claudya disse...

Cintia, te conheci há pouco, através do blog das vaquinhas. Gostei muito do conteúdo do seu blog. E, foi isso que me fez te premiar com o 'The Power of Schmooze'. Se não conhece (eu tb. não conhecia), venha conhecer e receber seu prêmio no meu blog. Bjos

Fabricio Dolci disse...

Aiiiii...que maldade com este humilde leitor....que quer sempre mais e mais...só me deixa curioso...rssssssss

Estou adorando cada vez mais a princesa...


Se cuida e tenha um ótimo final de semana!!!

ps.: ando numa correria só que nem tinha lido o capítulo anterior ainda....!!!

Red Letters disse...

OI querida,
Amei o texto!
De quem será esta voz???
Estou curiosa e ansiosa para ler os próximos capítulos.
Tenha uma ótima semana, beijinhos.

AP disse...

Sempre acaba no melhor... Que remédio? Esperar pela próxima semana...
Beijos!