Páginas

quarta-feira, 9 de maio de 2007

Como um mantra

Mude
Mas comece devagar,
porque a direção é mais importante
que a velocidade.
Sente-se em outra cadeira,
no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair,
procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho,
ande por outras ruas,
calmamente,
observando com atenção os lugares por onde você passa.
Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia,
ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.
Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas
e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama.
Depois, procure dormir em outras camas.
Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais,
leia outros livros,
Viva outros romances!
Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos,
escolha comidas diferentes,
novos temperos,
novas cores,
novas delícias.
Tente o novo todo dia.
o novo lado,
o novo método,
o novo sabor,
o novo jeito,
o novo prazer,
o novo amor.
a nova vida.
Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.
Almoce em outros locais,
vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo,
jante mais tarde ou vice-versa.
Escolha outro mercado,
outra marca de sabonete,
outro creme dental.
Tome banho em novos horários.
Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.
Ame muito,
cada vez mais,
de modos diferentes.
Troque de bolsa,
de carteira,
de malas.
Troque de carro.
Compre novos óculos,
escreva outras poesias.
Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.
Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas,
outros cabeleireiros,
outros teatros,
visite novos museus.
Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
Arrume um outro emprego,
uma nova ocupação,
um trabalho mais light,
mais prazeroso,
mais digno,
mais humano.

Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.

Seja criativo.
E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,
longa, se possível sem destino.
Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores
e coisas piores,
mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança,
o movimento,
o dinamismo,
a energia.
Só o que está morto não muda!

Duas considerações sobre esse texto maravilhoso:
  1. O título do post, "como um mantra" deve-se ao fato de que, quando conheci este texto, numa apresentação (um pps, eu acho) muito linda, anos atrás, tive um de meus "insights", profundos e reveladores. Desde então, procuro ler novamente, de novo e de novo, como um mantra. Os mantras são "vocalizações métricas compostas por sílabas, palavras ou frases – exclusivamente em sanskrito – que quando repetidas, tem a força de conduzir o praticante aos mais profundos estados de consciência. Os mantras são sons, energias ou vibrações que sempre existiram nos Universos, por isso eles não podem ser criados ou destruídos." (Fonte) Apesar da descrição não citar "textos ou músicas", acredito que estes podem ter sim o poder de um mantra, conduzindo a pessoa a um estado de graça pelo simples fato de tocar o coração em sua essência. Assim é este texto para mim, de uma alegria inexplicável, entusiasmante e plena.
  2. O "caso Mude" é tão absurdo que é difícil dissertar sobre ele. Deixo aqui algumas fontes para quem se interessar. A grosso modo, a decência parece estar fora de moda em algumas paragens. Acredito que Clarisse Lispector, onde quer que esteja, sinta-se envergonhada pelo ocorrido, onde R$ 40mil foram pagos a seu filho pelos direitos de um poema atribuído a ela, nesta mesma internet que é tão injusta com leitores de todo o mundo (Veja o blog Autor Desconhecido). Leia sobre o caso "Mude", veja em como anda o processo, e, finalmente, leia mais Edson Marques, porque vale a pena!

Ah! E o mais importante: MUDE!

2 comentários:

dän disse...

lindo esse texto.. e gostei das consideracoes.. muito bom, nao sabia disso! fiquei passada.

Edson Marques disse...

Cintia,

eu te agradeço pelo apoio!

Tua explicação sobre o texto ser um "Mantra" está perfeita. E eu sequer havia pensado nisso...


Abraços, flores, estrelas...